Dieta artificial para crianças

Deve ser o mais parecido com o leite materno possível. Isso é obtido por uma mistura de leite de vaca, água e açúcar, nas seguintes proporções.

Leite de vaca fresco, dois terços; Água fervente ou água fina de cevada, um terço; Pão de açúcar, quantidade suficiente para adoçar.

Esta é a melhor dieta que pode ser usada nos primeiros seis meses, após os quais alguns alimentos farináceos podem ser combinados.

No início da infância, as mães costumam dar mingau grosso, panada, pó de biscoito e outras coisas, pensando que uma dieta de tipo mais leve não será nutrida. Isto é um erro; pois essas preparações são sólidas demais; sobrecarregam o estômago e causam indigestão, flatulência e aderência. Isso cria uma necessidade de remédios e carminativos purgativos, que novamente enfraquecem a digestão e, por irritação não natural, perpetuam os males que os tornam necessários. Assim, muitos bebês são mantidos em um ciclo contínuo de reposição, indigestão e purga, com a administração de cordiais e narcóticos, que, se sua dieta fosse em quantidade e qualidade adequadas aos seus poderes digestivos, não precisariam de ajuda de físicos ou médicos.

Ao preparar esta dieta, é altamente importante obter leite puro, não desnatado anteriormente ou misturado com água; e em clima quente, apenas retirado da vaca. Não deve ser misturado com água ou açúcar até ser desejado, e não deve ser feito mais do que será tomado pela criança na época, pois deve ser preparado fresco a cada refeição. É melhor não aquecer o leite sobre o fogo, mas deixe a água ferver quando misturada com ela e, portanto, dada à criança morna ou morna.

À medida que a criança avança na idade, a proporção de leite pode aumentar gradualmente; isso é necessário após o segundo mês, quando três partes de leite a uma de água podem ser permitidas. Mas não deve haver mudança no tipo de dieta se a saúde da criança for boa e sua aparência melhorar sensivelmente. Nada é mais absurdo do que a noção de que, na infância, as crianças precisam de uma variedade de alimentos; apenas um tipo de alimento é preparado por natureza, e é impossível transgredir esta lei sem ferimentos acentuados.

Existem duas maneiras pela colher e pela mamadeira. O primeiro nunca deve ser empregado nesse período, pois o poder da digestão nos bebês é muito fraco, e seus alimentos são projetados pela natureza para serem levados muito lentamente para o estômago, sendo adquiridos a partir do peito pelo ato de sugar. em que ato uma grande quantidade de saliva é secretada e sendo derramada na boca, se mistura com o leite e é engolida. Esse processo da natureza, então, deve ser imitado na medida do possível; e o alimento (para esse fim) deve ser absorvido por sucção de uma mamadeira: é obtido lentamente, e a sucção empregada assegura a mistura de uma quantidade devida de saliva, que tem uma influência muito importante na digestão. Qualquer que seja o tipo de mamadeira ou teto, no entanto, nunca se deve esquecer que a limpeza é absolutamente essencial para o sucesso desse plano de educação dos filhos.

A quantidade de alimento a ser administrado em cada refeição deve ser regulada pela idade da criança e seu poder digestivo. Um pouco de experiência em breve permitirá que uma mãe cuidadosa e observadora determine esse ponto. À medida que a criança cresce, a quantidade de curso deve ser aumentada.

O principal erro na criação dos jovens é a superalimentação; e o mais sério que é; mas que pode ser facilmente evitado pelos pais que seguem um plano sistemático com relação às horas de alimentação e depois cedem apenas às indicações de apetite e administram os alimentos lentamente, em pequenas quantidades por vez. Essa é a única maneira eficaz de evitar indigestão e queixas intestinais, e a condição irritável do sistema nervoso, tão comum na infância e segura à nutrição saudável do bebê e consequente força de constituição. Como foi bem observado, a natureza nunca pretendeu que o estômago do bebê fosse convertido em um receptáculo para laxantes, carminativos, antiácidos, estimulantes e adstringentes; e quando isso se tornar necessário, podemos ter certeza de que há algo defeituoso em nossa administração, por mais perfeito que possa parecer para nós mesmos.

A frequência de administração de alimentos deve ser determinada, como regra geral, permitindo um intervalo entre cada refeição que garanta a digestão da quantidade anterior; e isso pode ser corrigido a cada três ou quatro horas. Se essa regra se afastar e a criança receber um suprimento de comida novo a cada hora ou mais, não será concedido tempo para a digestão da quantidade anterior e, como conseqüência da interrupção desse processo, a comida será transferida para a intestino não digerido, fermentará e ficará azedo, inevitavelmente produzirá cólon e purga, e de maneira alguma contribuirá para a nutrição da criança.

A postura da criança quando alimentada: - É importante cuidar disso. Não deve receber suas refeições mentindo; a cabeça deve ser levantada no braço da enfermeira, a posição mais natural e em que não haverá perigo de os alimentos seguirem o caminho errado, como é chamado. Após cada refeição, o pequeno deve ser colocado no berço ou repousar no joelho da mãe por pelo menos meia hora. Isso é essencial para o processo de digestão, pois o exercício é importante em outros momentos para a promoção da saúde.

Assim que a criança tiver dentes, e por esse período um ou dois aparecerão, matéria farinácea sólida fervida em água, batida através de uma peneira e misturada com uma pequena quantidade de leite. Ou partes superiores e inferiores, embebidas em água quente, com a adição de leite fresco e açúcar de pão para adoçar. E a criança pode agora, pela primeira vez, ser alimentada com uma colher.

Quando um ou dois dentes grandes de moagem aparecerem, o mesmo alimento poderá continuar, mas não precisará passar por uma peneira. Chá de carne e caldo de galinha podem ocasionalmente ser adicionados; e, como introdução ao uso de uma dieta animal mais completa, uma porção, de vez em quando, de um ovo cozido macio; aos poucos, um pequeno pudim de pão, feito com um ovo, pode ser tomado como refeição do jantar.

Nada é mais comum do que os pais durante esse período darem aos filhos comida de animal. Este é um grande erro. Alimentar uma criança com alimento animal antes que ele possua dentes adequados para mastigá-lo mostra um total desrespeito às claras indicações da natureza, retendo esses dentes até que o sistema exija sua assistência para mastigar alimentos sólidos. E o método de ralar e bater na carne, como substituto da mastigação, pode ser bem adequado ao octogenário desdentado, cujo estômago é capaz de digeri-la; mas o estômago de uma criança pequena não está adaptado à digestão de tais alimentos e será perturbado por ele.

Não se pode razoavelmente afirmar que a boca de uma criança sem dentes e a de um adulto, mobiliada com os dentes de animais carnívoros e graminívoros, foram projetadas pelo Criador para o mesmo tipo de alimento. Se a mastigação de alimentos sólidos, seja animal ou vegetal, e uma devida mistura de saliva, for necessária para a digestão, os alimentos sólidos não poderão ser adequados quando não houver poder de mastigação. Se for engolido em grandes massas, não poderá ser mastigado e terá apenas uma pequena chance de ser digerido; e em um estado não digerido, será prejudicial ao estômago e aos outros órgãos envolvidos na digestão, formando compostos não naturais. A prática de dar comida sólida a uma criança desdentada não é menos absurda do que esperar que o milho seja moído onde não há aparato para moer. Aquilo que seria considerado uma evidência de idiotismo ou insanidade em última instância, é defendido e praticado na primeira. Se, por outro lado, para evitar esse mal, a matéria sólida, animal ou vegetal, for previamente dividida em pequenas massas, a criança a engolirá instantaneamente, mas não será misturada com saliva. No entanto, na observação de todos os dias, veremos que as crianças são tão alimentadas em sua idade mais tenra; e não é maravilhoso que os males atuais sejam assim produzidos, e os alicerces lançados para futuras doenças.

A dieta apontada, então, deve continuar até o segundo ano. Grande cuidado, no entanto, é necessário em sua gestão; pois esse período da infância é introduzido pelo processo de dentição, que é comumente relacionado a mais ou menos desordem do sistema. Portanto, qualquer erro na dieta ou regime deve ser evitado com mais cuidado. É verdade que o bebê, que é de constituição sã e saudável, em quem, portanto, os poderes da vida são enérgicos, e que até esse momento foi amamentado no seio de seus pais e agora inicia uma dieta artificial pela primeira vez, a desordem é quase imperceptível, a não ser pela operação de causas muito eficientes. Não é assim, no entanto, com a criança que, desde a primeira hora de seu nascimento, foi alimentada com comida artificial. A dentição em tais circunstâncias sempre é acompanhada com mais ou menos perturbação do quadro, e doenças do caráter mais perigoso, mas com muita freqüência ocorrem. Também é nessa idade que todas as febres infecciosas e eruptivas são mais prevalentes; os vermes costumam começar a se formar e diarréia, sapinhos, raquitismo, erupções cutâneas etc. se manifestam, e o fundamento da doença escamosa é originado ou desenvolvido. Uma gestão criteriosa da dieta evitará algumas dessas queixas e atenuará a violência de outras quando elas ocorrerem. APARÊNCIA DE DENTES DE LEITE.

O primeiro conjunto de dentes, ou dentes de leite, como são chamados, tem vinte em número; eles geralmente aparecem em pares, e os da mandíbula inferior geralmente precedem os correspondentes da superior. O primeiro dos dentes de leite é geralmente cortado por volta do sexto ou sétimo mês, e o último do conjunto em vários períodos, do vigésimo ao trigésimo meses. Assim, todo o período ocupado pela primeira dentição pode ser estimado de um ano e meio a dois anos. O processo varia, no entanto, em diferentes indivíduos, tanto quanto à sua duração total, quanto aos períodos e ordem em que os dentes aparecem. É desnecessário, no entanto, acrescentar mais sobre esse ponto.

Seu desenvolvimento é um processo natural. É muito frequente, no entanto, tornar-se doloroso e difícil, devido a erros no manejo do regime e da saúde da criança, antes da chegada dos dentes e durante o processo em si.

Assim, principalmente em consequência do manejo imprudente, torna-se o período mais crítico da infância. Não que eu acredite que a extensão da mortalidade razoavelmente rastreável a ela seja, de qualquer maneira, tão grande quanto foi afirmado; pois é classificado como um sexto de todas as crianças que sofrem. Ainda assim, ninguém duvida que a primeira dentição seja frequentemente um período de grande perigo para o bebê. Torna-se, portanto, uma questão muito importante para uma mãe ansiosa e afetuosa, como os perigos e dificuldades da dentição podem, em qualquer grau, ser diminuídos ou, se possível, totalmente evitados. Algumas dicas sobre esse assunto, então, podem ser úteis. Considerarei, primeiro, o manejo da criança, quando a dentição for realizada sem dificuldade; e, segundo, o manejo do bebê quando ele é atendido com dificuldade.

Manejo da criança quando a dentição é sem dificuldade.

Na criança de uma constituição saudável, que foi alimentada adequadamente, naturalmente, alimentada apenas com o leite de sua mãe, os sintomas da dentição serão do tipo mais brando, e o manejo da criança mais simples e fácil.

Sintomas: - Os sintomas da dentição natural (que isso pode ser chamado de maneira justa) são: aumento do fluxo de saliva, com inchaço e calor das gengivas e, ocasionalmente, rubor nas bochechas. A criança freqüentemente enfia os dedos, ou qualquer coisa ao seu alcance, na boca. Sua sede é aumentada e, porém, retira o peito com mais freqüência do estado sensível das gengivas, por períodos mais curtos que o normal. É inquieto e inquieto; ataques súbitos de choro e ocasionais a partir do sono, com uma leve tendência a vômitos e até a frouxidão do intestino, não são incomuns. Muitos desses sintomas geralmente precedem o aparecimento do dente por várias semanas e indicam que o que é chamado de criação dos dentes está acontecendo. Nesses casos, os sintomas desaparecem em alguns dias, voltando a ocorrer quando o dente se aproxima da superfície da gengiva.

Tratamento: - O manejo da criança neste caso é muito simples e raramente exige a interferência do médico assistente. A criança deve estar muito ao ar livre e bem exercitada: os intestinos devem ser mantidos abertos livremente com óleo de mamona; e esteja sempre relaxado suavemente neste momento. Esponja fria empregada diariamente, e a superfície do corpo seca com uma flanela tão áspera quanto a delicada pele da criança; atrito sendo muito útil. O peito deve ser administrado com frequência, mas não por muito tempo; a sede será assim atenuada, as gengivas mantidas úmidas e relaxadas, e sua irritação acalmada, sem sobrecarregar o estômago. A mãe também deve cuidar cuidadosamente, neste momento, de sua própria saúde e dieta e evitar todos os alimentos ou bebidas estimulantes.

A partir do momento em que a dentição começa, a pressão nas gengivas é agradável à criança, amortecendo a sensibilidade e amortecendo a dor. Para esse fim, geralmente é empregado o coral, ou um pedaço de raiz de orris ou raiz de alcaçuz raspada; um anel de marfim achatado, no entanto, é muito mais seguro e melhor, pois não há perigo de ser empurrado para os olhos ou nariz. O suave atrito das gengivas, também pelo dedo da enfermeira, é agradável ao bebê; e, como parece ter algum efeito em aliviar a irritação, pode ser frequentemente utilizado. Na França, é prática comum mergulhar a raiz de alcaçuz e outras substâncias no mel ou açúcar em pó; e na Alemanha, uma sacola pequena, contendo uma mistura de açúcar e especiarias, é dada ao bebê para mamar, sempre que ele fica inquieto e inquieto durante a dentição. O uso constante, no entanto, de ingredientes doces e estimulantes deve causar danos ao estômago, e torna seu emprego muito censurável.

SONO DURANTE A INFÂNCIA E A INFÂNCIA.

Durante a infância.

Durante três ou quatro semanas após o nascimento, o bebê dorme mais ou menos dia e noite, acordando apenas para satisfazer as demandas da fome; no final desse período, no entanto, cada intervalo de vigília cresce mais, de modo que dorme com menos frequência, mas por períodos mais longos de cada vez.

Essa disposição de repousar nas primeiras semanas de vida da criança não deve ser interferida; mas, expirado esse período, é necessário muito cuidado para induzir a regularidade nas horas de sono; caso contrário, serão tomadas muitas coisas durante o dia, e noites inquietas e perturbadas se seguirão. A criança deve adotar o hábito de dormir no meio do dia, antes do jantar e por cerca de duas horas, mais ou menos. Se descansar em um período posterior do dia, causará invariavelmente uma noite ruim.

A princípio, o bebê deve dormir com seus pais. A baixa temperatura de seu corpo e seu pequeno poder de gerar calor tornam isso necessário. No entanto, se acontecer que a criança tenha noites perturbadas e inquietas, ela deve ser imediatamente removida para a cama e cuidar de outra fêmea, para ser levada à mãe mais cedo, de manhã, com o objetivo de ser amamentada. . Isso é necessário para a preservação da saúde da mãe, que durante as noites sem dormir seria, em breve, perturbada, e a criança também sofreria com a influência que essa saúde perturbada teria sobre o leite.

Quando um mês ou seis semanas se passaram, a criança, se saudável, pode dormir sozinha em um berço ou berço, tomando-se o cuidado de possuir roupas suficientes, de que o quarto em que está colocado seja suficientemente quente, a saber. 60 graus, e a posição da maca não é exposta a correntes de ar frio. É essencial atender a esses pontos, pois a faculdade de produzir calor e, consequentemente, o poder de manter a temperatura é menor durante o sono do que em qualquer outro momento, e, portanto, a exposição ao frio é especialmente prejudicial. É com muita freqüência que a inflamação de algum órgão interno ocorrerá nessas circunstâncias, sem suspeitar a verdadeira fonte da doença. Aqui, no entanto, deve-se evitar um erro frequente: cobrir a criança em sua cama com roupas demais jogando sobre o rosto o lenço de musselina e, por fim, puxando a cortina da cama. O objetivo é manter a criança suficientemente quente com ar puro; portanto, deve ter livre acesso à boca e a atmosfera de toda a sala deve ser mantida suficientemente quente para permitir que a criança a respire livremente: no inverno, portanto, sempre deve haver um incêndio no berçário.

A criança de até dois anos de idade, pelo menos, deve dormir em um colchão de penas, pelas razões mencionadas acima. O travesseiro, no entanto, após o sexto mês, deve ser feito de crina de cavalo; pois nesse momento começa a dentição, e é altamente importante que a cabeça seja mantida fria.

Durante a infância.

Até o terceiro ou quarto ano, a criança deve dormir por uma hora ou mais antes do jantar. Após esse período, ele pode ser interrompido gradualmente; mas é preciso lembrar que, durante todo o período da infância, é necessário mais sono do que na idade adulta. A criança, portanto, deve descansar todas as noites entre sete e oito; e se estiver com saúde, dormirá profundamente até a manhã seguinte. Nenhuma regra definida, no entanto, pode ser estabelecida com referência ao número de horas de sono a serem permitidas; pois um exigirá mais ou menos que outro. A regularidade quanto ao tempo de descanso é o principal ponto a ser atendido; não permita que nada interfira com ele e, em seguida, deixe apenas a criança dormir sem perturbações, até que ela acorde por vontade própria na manhã seguinte e tenha descansado o suficiente.

A quantidade de sono necessária para preservar a saúde varia de acordo com o estado do corpo e os hábitos do indivíduo. Os bebês passam a maior parte do tempo dormindo. As crianças dormem doze ou quatorze horas. O estudante geralmente dez. Na juventude, uma terceira parte das 24 horas é gasta no sono. Enquanto, na idade avançada, muitos não passam mais de quatro, cinco ou seis horas dormindo.

É uma coisa cruel para uma mãe sacrificar a saúde de seu filho que ela possa ceder à sua própria vaidade e, no entanto, com que frequência isso é feito em relação ao sono. Uma festa noturna deve se reunir e a criança é mantida por horas além do tempo indicado para se aposentar para descansar, para que possa ser exibida, acariciada e admirada. Sua porção habitual de sono é assim abreviada e, a partir da excitação anterior, o pouco que ele obtém, é interrompida e não se atualiza, e ele se levanta no dia seguinte cansado e exausto.

Uma vez acordado, não deve ser permitido ficar mais tempo na cama, mas deve ser encorajado a se levantar imediatamente. Essa é a maneira de criar o hábito de se levantar cedo, o que evita muitos males sérios para os quais os pais não estão suficientemente vivos, promove a saúde mental e corporal e, segundo todos os hábitos, é o mais propício à longevidade.

Uma criança nunca deve ser subitamente despertada do sono; excita o cérebro, acelera a ação do coração e, se frequentemente repetidas, conseqüências sérias resultariam. A mudança de dormir para acordar deve ser sempre gradual.

A cama em que a criança dorme agora deve ser um colchão: nessa idade, uma cama de penas é sempre prejudicial para as crianças; pois o corpo, afundando profundamente na cama, está completamente enterrado em penas, e o grau de calor não natural assim produzido relaxa e enfraquece o sistema, principalmente a pele, e torna a criança incomumente suscetível às impressões do frio. Então, em vez de a cama ser arrumada de manhã, logo que desocupada, e ainda saturadas com as exalações noturnas do corpo, as roupas de cama devem ser jogadas sobre as costas das cadeiras, o colchão sacudido e as roupas janela aberta por várias horas, para que o apartamento seja bem ventilado. Também é indispensável não permitir que a criança durma com pessoas com problemas de saúde ou que estão muito adiantadas na vida; se possível, deve dormir sozinho.

DICAS PARA A SEGURANÇA DE CRIANÇAS

O que devemos fazer?

1, mantenha sempre o bebê arrumado e limpo.

2, corte as unhas corretamente com o máximo cuidado.

3, fralda molhada deve ser removida e as peças devem ser limpas com sabão.

4, cuide dos órgãos genitais porque a infecção por fungos é comum nessa área. As peças devem ser mantidas secas.

5, o cuidado do couro cabeludo é muito importante.Infecções fúngicas, dermatite ect podem ser prevenidas com uma limpeza adequada.

6, Vestido apertado pode causar irritação, portanto, o vestido deve estar solto e deve permitir a entrada de ar.

7, o quarto deve ter luz e ventilação suficientes. Deve estar livre de poeira e insetos.

8, cama separada, de preferência à prova de água é necessária para as crianças. Deve ser organizado perto da cama da mãe.

9, mantenha sempre algumas músicas fazendo brinquedos perto do bebê.

10, enquanto estiver carregando o bebê, apoie a cabeça com a mão. Desde que os músculos do pescoço são fracos, a queda repentina da cabeça pode ser perigosa.

11, o leite materno é a melhor nutrição para o bebê, também fornece apego emocional.O leite materno deve ser administrado de acordo com a necessidade dos bebês, de preferência na posição sentada da mãe.A limpeza adequada do mamilo também é necessária.A mãe deve tomar uma boa dieta nutritiva durante toda a lactação período.

12, se houver alguma contra-indicação para o aleitamento, o leite de vaca pode ser dado. O biberão deve ser limpo com água morna e deve ser mantido seco até o próximo uso.

13, o leite de vaca deve ser fervido e resfriado. Algumas doenças como tuberculose bovina, brucelose ect se espalham pelo leite cru.

14, Algumas crianças são alérgicas a algumas substâncias, como alimentos, leite, roupas, cosméticos etc. Tente descobrir o material que está causando alergia e evite essas coisas.

15, as redes mosquiteiras devem ser usadas regularmente. Doenças como malária, dengue, filariose, febre amarela e ect se espalham por picadas de mosquito. A picada de mosquito também pode produzir erupções cutâneas com algumas reações alérgicas, além de afetar o sono profundo.

16, Uma atmosfera calma deve ser mantida para um bom sono. Em comparação com adultos, os bebês precisam de mais sono. Dizem que a secreção do hormônio do crescimento é ativada durante o sono.

17, Desenvolvimento do crescimento, desenvolvimento comportamental, desenvolvimento motor, desenvolvimento social pessoal, desenvolvimento da linguagem ect devem ser anotados em relação à idade. No entanto, os pais não precisam ficar muito ansiosos porque pequenas variações são vistas de indivíduo para indivíduo.

18, Avaliação do crescimento medindo altura e peso é necessária.

19, Nos primeiros meses de vida, o bebê pode defecar após cada mamada. Deve-se dar um treinamento adequado ao banheiro quando o bebê crescer. O bebê pode ser colocado no assento aos dez meses de idade.

20, o assento do vaso sanitário (assento do penico) deve ser limpo com líquido anti-séptico antes e após o uso. Não deve ser compartilhado por outras crianças.

21, Se o bebê apresentar alguns sinais de sofrimento, como choro excessivo, convulsões, febre com rigor, rigidez do pescoço, vômitos e diarréia freqüentes, descoloração azulada do corpo, dificuldade em respirar com grunhidos, preste atenção e consulte seu médico.

22, Uma caixa de primeiros socorros deve ser mantida na sala, que deve conter algodão estéril, materiais para curativos, loção e pomada anti-séptica e fórceps. Deve-se manter um livro separado para anotar os números de telefone dos médicos, ambulância, polícia etc.

23, Os medicamentos para crianças devem ser mantidos em caixas separadas. As informações sobre a dose e o modo de administração devem ser escritas em papel e afixadas na caixa.

24, enquanto dirige, mantenha o bebê com cinto de segurança separado.

  1. Quando sair com o bebê, mantenha um cartão de identidade com seu número de telefone e endereço no bolso pequeno.

26, Quando o bebê começa a andar, sempre o acompanha para evitar uma queda e ferimentos.

27, em emergências, tome as medidas de primeiros socorros e leve a vítima ao hospital próximo.

Sufocamento: - O bebê pode engolir alguns objetos sólidos e causar obstruções. Faça imediatamente o bebê deitar-se no abdômen na posição baixa da cabeça e pressione-o para trás e em direção ao peito. Acariciar a parte superior das costas também é útil. Se não houver resultado, chame uma pessoa treinada para levar o material com a ajuda de uma pinça.

Envenenamento acidental: - Tente remover a subatância venenosa e induzir o vômito (exceto querosina e ácidos). Lave o corpo com água para reduzir a absorção pela pele. Identifique o pioson e leve a vítima ao hospital.

Queimaduras: - Antes de tudo, remova a fonte de calor e coloque água fria e limpa. Os mantos queimados não devem ser removidos imediatamente. Cubra a ferida com algodão estéril e leve para o hospital próximo.

Feridas: - Limpe a ferida com água limpa e pare o sangramento comprimindo, elevando a ferida acima do nível do coração ou use um torniquete para comprimir os vasos sanguíneos. Em seguida, vista a ferida com algodão e curativo estéril e consulte um médico.

Afogando-se na banheira: - Leve o bebê imediatamente e mantenha a cabeça em posição baixa, pressione suavemente o abdômen ou chupe boca a boca até que o ar esteja limpo. Faça respiração boca a boca e massagem cardíaca e leve a vítima ao hospital.

Choque elétrico: - Interrompa a fonte de corrente. Em seguida, observe a vítima, se não estiver respirando, dê respiração boca a boca junto com massagem cardíaca e leve para o hospital.

  1. E, por último, mas não menos importante, dê ao seu filho o máximo de cuidado, amor e apoio para torná-lo saudável e feliz para sempre. O que não devemos fazer?
  • 1, nunca agite o bebê, pode causar danos ao cérebro.

2, não mantenha pequenos artigos perto do bebê.

3, artigos pontiagudos como caneta, lápis, ect não devem ser dados para crianças.

4, evite a entrada de água no ouvido enquanto estiver tomando banho.

5, os alimentos não devem ser dados à força quando o bebê está chorando ou tossindo continuamente.

6, não deve alimentar demais o bebê.

7, artigos como repelentes de mosquitos, bolas de mariposa, tinta, chicletes, medicamentos, etc. devem ser mantidos afastados.

8, evite revestimentos apertados.

9, não deve ser colocado perto da borda da cama.

10, não deve dar o bebê a estranhos e evitar contato próximo com outras pessoas.

11, Todos os instrumentos elétricos devem ser mantidos afastados e a cama não deve ser colocada perto de tomadas e fios elétricos.

12, Cozinha é um lugar perigoso para as crianças. Não as mantenha sozinhas na cozinha.

13, O nível da água na banheira deve ser mínimo e não deve ser utilizado em outros trabalhos (para atender chamadas telefônicas ou chamadas de ect bell) quando o bebê estiver na banheira.

14, evite fumar dentro de casa.

15, não deve permitir que animais de estimação estejam em contato muito próximo com as crianças. (Injeções anti-rábicas devem ser administradas a animais de estimação e cortam suas unhas adequadamente)

16, Quando a criança começar a andar, não deve ser mantida sozinha no andar de cima e não deve permitir que subam os degraus.

17, luz forte deve ser evitada na sala.

18, quando você estiver viajando, não dê os alimentos fornecidos pelos passageiros.

19, o bebê não deve rastejar no solo.

20, se você estiver doente ou alguém estiver doente, fique longe das crianças.

21, Não leve o bebê para enfermarias, mercados lotados e áreas poluídas empoeiradas.

22, candeeiro de mesa não deve ser mantido perto das crianças, isso irá atrair insetos à noite e causar problemas.

23, Outros medicamentos não devem ser dados às crianças.

24, Medicamentos que ultrapassaram o prazo de validade não devem ser utilizados.

ABC DA AMAMENTAÇÃO.

Desde o primeiro momento em que a criança é aplicada ao seio, ela deve ser amamentada segundo um determinado plano. Isso é necessário para o bem-estar da criança e contribuirá essencialmente para preservar a saúde dos pais, que assim serão considerados uma boa enfermeira, e seu dever ao mesmo tempo se tornará um prazer.

Isso implica, no entanto, uma atenção cuidadosa por parte da mãe à sua própria saúde; pois o filho é essencialmente dependente disso. Leite saudável, nutritivo e digerível pode ser adquirido apenas de um pai saudável; e é contra o senso comum esperar que, se uma mãe prejudica sua saúde e digestão devido a dieta inadequada, negligência no exercício e ar impuro, ela pode, no entanto, fornecer um fluido saudável e não contaminado para seu filho, como se estivesse diligentemente atento a esses pontos importantes. Todo exemplo de indisposição na enfermeira pode afetar o bebê.

E isso me leva a observar que é um erro comum supor que, como uma mulher está amamentando, ela deva viver muito plenamente e acrescentar uma dose de vinho, porteiro ou outro licor fermentado à sua dieta habitual. . O único resultado desse plano é causar um grau não natural de plenitude no sistema, que coloca a enfermeira à beira da doença e que, por si só, interrompe a secreção do leite, em vez de aumentá-lo. O plano certo de proceder é bastante claro; só seja dada atenção às leis comuns da saúde, e a mãe, se tiver uma constituição sólida, será uma enfermeira melhor do que por qualquer desvio tolo baseado na ignorância e no capricho.

O caso a seguir prova a exatidão dessa declaração:

Uma jovem senhora, confinada com seu primeiro filho, saiu da sala no final da terceira semana, uma boa enfermeira e com perfeita saúde. Ela teve alguns problemas com seus mamilos, mas isso foi superado logo.

O sistema de porteiros foi iniciado e, de um litro a um litro e meio dessa bebida, foi tomado nas quatro e vinte horas. Recorreu-se a isso, não porque houvesse alguma deficiência no suprimento de leite, pois era amplo e o bebê prosperava com ele; mas porque, tendo se tornado enfermeira, disseram-lhe que era usual e necessário, e que sem ela o leite e a força não durariam muito tempo.

Depois que esse plano foi seguido por alguns dias, a mãe ficou sonolenta e disposta a dormir durante o dia; e dor de cabeça, sede, pele quente, de fato, febre superveniente; o leite diminuiu em quantidade e, pela primeira vez, o estômago e as entranhas do bebê ficaram desordenados. O porteiro foi ordenado para ser deixado de fora; medidas corretivas foram prescritas; e todos os sintomas, tanto nos pais quanto no filho, foram removidos após um tempo e a saúde foi restaurada.

Antes de se tornar mãe, acostumada a tomar um ou dois copos de vinho e, ocasionalmente, um copo de cerveja de mesa, foi aconselhada a seguir precisamente seu antigo plano dietético, mas com a adição de meio litro de leite de cevada. manhã e noite. Tanto o pai quanto o filho continuaram em excelente saúde durante o período remanescente de sucção, e este último não provou comida artificial até o nono mês, sendo o leite dos pais suficiente para suas necessidades.

Ninguém pode duvidar que o carregador fosse, neste caso, a fonte do mal.A paciente havia entrado no quarto com plena saúde, se divertira e saiu de sua câmara (comparativamente) tão forte quanto ela entrou. Sua constituição não havia sido anteriormente desgastada por repetidos partos e amamentação, ela possuía um amplo suprimento de leite e, portanto, era plenamente capaz de desempenhar os deveres que agora lhe incumbiam, sem recorrer a nenhum estimulante ou apoio incomum. Seus hábitos anteriores estavam totalmente em desacordo com o plano adotado; seu sistema ficou cheio demais, a doença foi produzida e o resultado experimentado foi nada além do que se poderia esperar.

O plano a ser seguido nos primeiros seis meses. Até que o leite materno esteja totalmente estabelecido, o que pode não ocorrer até o segundo ou terceiro dia após o parto (quase sempre em um primeiro parto), a criança deve ser alimentada com um pouco de mingau ou com um terço de água e dois terços de leite, adoçado com açúcar.

Após esse período, ele deve obter nutrição apenas do seio, e por uma semana ou dez dias o apetite do bebê deve ser o guia da mãe, quanto à frequência de oferta do seio. O estômago ao nascer é fraco e ainda não acostumado à comida; seus desejos, portanto, são facilmente satisfeitos, mas são freqüentemente renovados. Um intervalo, no entanto, suficiente para digerir o pouco ingerido, é obtido antes que o apetite volte a reviver e seja necessário um novo suprimento.

No final de uma semana ou mais, é essencialmente necessário, e com algumas crianças isso pode ser feito com segurança desde o primeiro dia de amamentação, para amamentar o bebê em intervalos regulares de três ou quatro horas, dia e noite. Isso permite tempo suficiente para que cada refeição seja digerida e tende a manter os intestinos da criança em ordem. Além disso, essa regularidade fará muito para evitar a inquietação, e esse choro constante, que parece que só poderia ser amenizado ao colocar constantemente a criança no seio. Uma mãe jovem freqüentemente comete um erro grave nesse particular, considerando toda expressão de desconforto como uma indicação de apetite, e sempre que o bebê chora oferecendo-lhe o peito, embora dez minutos possam não ter decorrido desde a última refeição. Essa é uma prática prejudicial e até perigosa, pois, sobrecarregando o estômago, a comida permanece não digerida, os intestinos da criança estão sempre fora de ordem, logo ficam inquietos e febris e, talvez, acabem perdendo; quando, simplesmente observando as regras de enfermagem acima, o bebê pode ter se tornado saudável e vigoroso.

Pelo mesmo motivo, a criança que dorme com seus pais não deve ter o mamilo restante em sua boca a noite toda. Se amamentado, como sugerido, será despertado, à medida que a hora da refeição se aproxima, com grande regularidade. Em referência à amamentação noturna, eu sugeriria mamar o bebê até as dez horas da noite. m., e não colocá-lo no peito novamente até às cinco horas da manhã seguinte. Muitas mães adotaram essa dica, com grande vantagem para sua própria saúde e sem o menor prejuízo para a criança. Com o último, logo se torna um hábito; para induzi-lo, no entanto, deve ser ensinado cedo.

O plano anterior, e sem variação, deve ser seguido até o sexto mês.

Após o sexto mês até a hora do desmame, se os pais têm um grande suprimento de leite bom e nutritivo, e seu filho está saudável e evidentemente floresce com ele, nenhuma mudança em sua dieta deve ser feita. Caso contrário, no entanto, (e esse será o caso com muita freqüência, mesmo antes do sexto mês), a criança poderá ser alimentada duas vezes ao longo do dia e esse tipo de alimento escolhido que, após um pequeno teste, é encontrado concordar melhor.

ROUPAS ADEQUADAS PARA CRIANÇAS.

Durante a infância.

Os bebês são muito suscetíveis às impressões do frio; uma consideração adequada, portanto, a uma roupa adequada do corpo, é imperativa para o desfrute da saúde. Infelizmente, prevalece uma opinião na sociedade de que a criança sensível tem naturalmente um grande poder de gerar calor e resistir ao frio; e desse erro popular surgiram os resultados mais fatais. Essa opinião foi muito reforçada pela maneira insidiosa pela qual o frio opera na estrutura, os efeitos prejudiciais nem sempre são manifestos durante ou imediatamente após a sua aplicação, de modo que, mas com muita freqüência, o resultado fatal é atribuído a uma fonte errada, ou à criança. afunda sob a ação de uma causa desconhecida.

O poder de gerar calor em animais de sangue quente é mínimo no nascimento e aumenta sucessivamente até a idade adulta; os animais jovens, em vez de serem mais quentes que os adultos, geralmente são um ou dois graus mais frios e se separam mais rapidamente do calor; fatos que não podem ser amplamente conhecidos. Eles mostram quão absurda deve ser a loucura desse sistema de endurecimento da constituição (a que já foi feita referência), que induz os pais a mergulharem a criança delicada e delicada no banho frio em todas as estações do ano e a expor livremente às correntes frias e cortantes de um vento oriental, com as roupas mais leves.

Os princípios que devem orientar os pais na roupa do bebê são os seguintes:

O material e a quantidade da roupa devem preservar uma proporção suficiente de calor para o corpo, portanto regulado pela estação do ano e pela delicadeza ou força da constituição da criança. Ao fazer isso, no entanto, os pais devem se proteger contra a prática muito comum de envolver a criança em inúmeras dobras de roupas quentes e mantê-la constantemente confinada a salas muito quentes e próximas; correndo assim para o extremo oposto ao que acabei de mencionar: pois nada tende tanto a debilitar a constituição, a induzir doenças e a tornar a pele altamente suscetível à impressão de frio; e assim produzir aquelas mesmas doenças das quais é a principal intenção se proteger.

Em sua forma, devem estar dispostos de maneira a não restringir os movimentos livres de todas as partes do corpo da criança; e tão frouxo e fácil que permita que a transpiração insensível tenha uma saída livre, em vez de ser confinada e absorvida pelas roupas e mantida em contato com a pele, até causar irritação.

Em sua qualidade, devem ser de natureza a não irritar a pele delicada da criança. Portanto, na infância, a flanela é muito áspera, mas é desejável à medida que a criança cresce, pois dá um estímulo suave à pele e mantém a saúde.

Em sua construção, o vestido deve ser tão simples a ponto de ser rapidamente colocado, já que vestir é cansativo para a criança, faz com que ela chore e excita a irritação mental que é capaz de sentir. Os pinos devem ser totalmente dispensados, sendo seu uso perigoso pelo descuido das enfermeiras e até pelos movimentos comuns da própria criança.

A roupa deve ser trocada diariamente. É eminentemente favorável à boa saúde que uma mudança completa de vestuário seja feita todos os dias. Se isso não for feito, a lavagem falhará, em grande parte, em seu objeto, principalmente em garantir a liberdade de doenças de pele.

Durante a infância.

A roupa da criança deve possuir as mesmas propriedades da infância. Deverá proporcionar o devido calor, ser de materiais que não irritem a pele e ser feitos de modo a não causar constrição não natural.

Em referência ao devido calor, pode ser bom repetir que roupas em excesso são frequentemente produtivas dos ataques mais repentinos de doenças ativas; e que as crianças que são expostas com roupas finas em um clima tão variável quanto o nosso são os assuntos freqüentes de garupa e outras afecções perigosas das passagens aéreas e pulmões. Por outro lado, não se deve esquecer que roupas muito quentes são uma fonte de doença, às vezes até das mesmas doenças que se originam da exposição ao frio e, muitas vezes, tornam o quadro mais suscetível às impressões do frio, especialmente do frio. ar levado para os pulmões. Regular a roupa, então, de acordo com a estação; retome o vestido de inverno cedo; deixe de lado tarde; pois é na primavera e no outono que as vicissitudes em nosso clima são maiores, e as queixas congestivas e inflamatórias são mais comuns.

No que diz respeito ao material (como foi observado anteriormente), nessa idade a pele exibirá flanela ao lado; e agora não é apenas adequado, mas necessário. Pode ser adiado com vantagem durante a noite e o algodão pode ser substituído durante o verão, sendo a flanela retomada no início do outono. Se, por uma delicadeza muito grande na constituição, for muito irritante para a pele, as meias finas e felpudas serão em geral facilmente suportadas e conduzirão muito à preservação da saúde.

É muito importante que as roupas do menino sejam feitas de maneira que não sejam impostas restrições aos movimentos do corpo ou dos membros, nem pressão prejudicial sobre a cintura ou o peito. Todos os seus músculos devem ter total liberdade para agir, pois o exercício livre promove tanto o crescimento quanto a atividade e, assim, assegura a regularidade e a eficiência das diversas funções às quais esses músculos são subservientes.

As mesmas observações se aplicam com igual força ao vestido da menina; e felizmente, durante a infância, pelo menos, nenhuma distinção é feita nessa questão entre os sexos. Não é assim, porém, quando a garota está prestes a emergir desse período da vida; é então adotado um sistema de vestimentas que tem os efeitos mais perniciosos sobre sua saúde e o desenvolvimento do corpo, o emprego de estadas apertadas, que impedem a ação livre e plena dos órgãos respiratórios, sendo apenas uma das muitas restrições e práticas prejudiciais das quais, nos últimos anos, estão fadadas a sofrer tão severamente.

ENSINANDO UMA CRIANÇA A ANDAR.

O exercício é essencialmente importante para a saúde da criança. Seu primeiro exercício, é claro, será nos braços da enfermeira. Depois de um mês ou dois, quando começa a dormir menos durante o dia, delicia-se em rolar e chutar no sofá: assim, usa seus membros livremente; e isso, com a realização ao ar livre, é todo o exercício necessário nesse período. Pouco a pouco, porém, a criança fará suas primeiras tentativas de caminhar. Agora, é importante que nenhum dos muitos planos que foram elaborados para ensinar uma criança a andar seja adotado como carrinho de bebê, cordas de chumbo, etc .; a tendência deles é travessa; e achatamento do peito, pulmões confinados, coluna distorcida e pernas deformadas são tantos males que muitas vezes se originam em tais práticas. Isso é explicado pelo fato de os ossos na infância serem comparativamente macios e flexíveis, e se prematuramente sujeitos a esses artifícios para suportar o peso do corpo, eles produzem exatamente como um bastão elástico dobrado sob um peso e, como conseqüência natural, tornam-se curvado e distorcido.

É altamente necessário que a mãe jovem e experiente lembre esse fato, pois os primeiros esforços da criança a andar são naturalmente vistos por ela com tanto prazer, que ela estará apta a incentivar e prolongar suas tentativas, sem qualquer pensamento. das travessuras que eles podem ocasionar; assim, muitos pais tiveram que lamentar a deformidade que ela mesma criou.

Pode ser bom observar aqui que, se essa distorção é percebida em tempo hábil, ela é capaz de correção, mesmo após a curvatura evidente. Deve ser remediado usando os meios que revigoram a estrutura e promovem a saúde geral da criança (um mergulho diário no banho frio ou com uma esponja com água salgada fria será considerado um sinal eficaz) e evitando a causa original da distorção nunca permitindo que a criança se levante. A única maneira de realizar essa última intenção é colocar as duas pernas em uma meia grande; isso responderá efetivamente a esse propósito, enquanto, ao mesmo tempo, não impede o exercício livre e completo dos músculos das pernas. Depois de alguns meses seguindo esse plano, os membros não serão mais deformados, os ossos adquiriram firmeza e a força dos músculos; e pode-se permitir que a criança se levante novamente, sem perigo de perpetuar ou renovar o mal.

O melhor modo de ensinar uma criança a andar é deixá-la ensinar a si mesma, e isso será suficiente. Primeiro ele rasteja: exercita todos os músculos do corpo, não fatiga a criança, não exerce peso sobre os ossos, mas confere vigor e força, e é, portanto, altamente útil. Depois de um tempo, tendo o poder, desejará fazer mais: se esforçará para se levantar com o auxílio de uma cadeira e, embora falhe repetidas vezes em suas tentativas, ainda perseverará até realizá-la. . Com isso, aprende, primeiro, a levantar-se do chão; e, em segundo lugar, permanecer de pé, mas não sem segurar o objeto em que ele apreendeu. Em seguida, ele se equilibrará sem se segurar e mostrará orgulhosa e rindo que pode permanecer sozinho. Receoso, no entanto, ainda como mover seus membros sem apoio, ele agarrará uma cadeira ou qualquer outra coisa perto dela, quando ousará avançar tanto quanto os limites de seu apoio permitirem. Essa pequena aventura será repetida dia após dia com crescente exultação; quando, após numerosas provações, sentir-se-á confiante em seu poder de se equilibrar e correrá sozinho. Agora é necessário tempo para esse autodidata gradual, durante o qual os músculos e ossos se fortalecem; e quando, finalmente, convocados a sustentar o peso do corpo, são plenamente capazes de fazê-lo.

Exercício durante a infância.

Quando a criança adquiriu força suficiente para realizar exercícios ativos, ela dificilmente pode ficar demais ao ar livre; quanto mais ele estiver habituado a isso, mais capaz estará de suportar as vicissitudes do clima. Também é necessário que as crianças sempre se divirtam com prazer, pois geralmente praticam esse tipo e grau de exercício que é melhor calculado para promover o crescimento e o desenvolvimento do corpo. Na indulgência desenfreada de seus esportes juvenis, todos os músculos do corpo participam de sua parte do exercício ativo; e crescimento livre, vigor e saúde são o resultado.

Se, no entanto, uma criança é delicada e escamosa, e muito fraca para fazer exercícios suficientes a pé, e para tal constituição, a respiração de um ar puro e de exercícios é indispensável para a melhoria da saúde, e sem ela todos os outros esforços fracassarão. , montando um burro ou pônei é o melhor substituto. Esse tipo de exercício sempre será encontrado de infinito serviço a crianças delicadas; diverte a mente e exercita os músculos de todo o corpo, e de maneira tão suave que provoca pouca fadiga.

Os exercícios a cavalo, no entanto, são mais particularmente úteis quando há uma tendência na constituição ao consumo pulmonar, seja por causas hereditárias ou acidentais. Aqui é benéfico, bem como por sua influência na saúde geral, mais diretamente nos próprios pulmões. Não há dúvida de que os pulmões, como os músculos do corpo, adquirem poder e saúde da função pelo exercício. Agora, durante um passeio, isso é obtido e sem muita fadiga para o corpo. A expansão livre e equitativa dos pulmões, por inspiração total, ocorre necessariamente; isso mantém sua estrutura saudável, mantendo todas as passagens aéreas abertas e permeáveis; evita congestão na circulação pulmonar e, ao mesmo tempo, fornece mais completamente a ação química necessária no sangue, alterando, a cada ato respiratório, uma proporção suficiente de todo o ar contido nos pulmões, todos objetos de grande importância e todos capazes de serem promovidos, mais ou menos, pelos meios em questão.

DEFICIÊNCIA DO LEITE.

A deficiência de leite pode existir mesmo em um período muito precoce após o parto e ainda assim ser removida. Isso, no entanto, não deve ser realizado pelos meios recorrentes com muita frequência; pois é costume, muitas, duas ou três semanas após o parto, se o suprimento de alimento para a criança é escasso, participar em grande parte do licor de malte para seu aumento. Cedo ou tarde, isso será considerado prejudicial à constituição da mãe: mas como, então, essa deficiência deve ser evitada? Mantenha a enfermeira com boa saúde, e, nesse ponto, o leite, tanto em quantidade quanto em qualidade, será tão amplo, nutritivo e bom quanto puder ser produzido pelo indivíduo.

Eu recomendaria uma dieta simples, generosa e nutritiva; não uma descrição exclusiva de alimentos, mas, como é natural, uma dieta saudável, mista, animal e vegetal, com ou sem vinho ou licor de malte, de acordo com o hábito anterior; e, ocasionalmente, onde o licor de malte nunca foi tomado anteriormente, um litro de boa cerveja de qualidade pode ser tomado diariamente com vantagem, se concordar com o estômago. O exercício regular ao ar livre é da maior importância, pois exerce uma influência extraordinária na promoção da secreção de leite saudável. Logo depois de sair da sala, é preferível o exercício de carruagem, onde pode ser obtido, para ser trocado, dentro de uma semana, por exercícios a cavalo ou pela caminhada diária. O banho de chuveiro morno ou água salgada fria deve ser usado todas as manhãs; mas se não puder ser suportado, é necessário substituir a esponja com água salgada.

Ao adotar com perseverança o plano anterior, será obtido um peito de leite tão amplo em quantidade quanto em qualidade, conforme a constituição dos pais possa produzir, conforme o caso a seguir:

Eu assisti a uma senhora de 24 anos, uma mulher delicada, mas saudável, em seu primeiro parto. O trabalho foi bom. Tudo correu bem na primeira semana, exceto que, embora os seios tenham aumentado e prometido um bom suprimento de alimento para a criança, no final havia apenas um pouco de gotejamento no mamilo. Durante a quinzena seguinte, ocorreu um aumento leve, mas muito gradual, em quantidade, de modo que apenas uma colher de sobremesa foi obtida no meio desse período e talvez dobrar essa quantidade no vencimento. Nesse meio tempo, a criança foi necessariamente alimentada com uma dieta artificial e, como conseqüência, seus intestinos ficaram desarranjados, e uma diarréia grave se seguiu.

Por três ou quatro dias, foi uma questão de saber se o pequeno viveria, pois havia sido tão reduzido pela frouxidão do intestino que não tinha forças para agarrar o mamilo de sua enfermeira; o leite, portanto, foi obrigado a ser retirado e a criança o alimentou com uma colher. Depois de alguns dias, no entanto, ele poderia obter o leite materno para si; e, para resumir o caso, durante o mesmo mês, a mãe e o filho voltaram para casa, o primeiro com uma proporção muito justa de leite saudável no seio e o filho se recuperou perfeitamente e, evidentemente, prosperando rapidamente.

Onde, no entanto, houve uma deficiência precoce no suprimento de alimento, acontecerá com maior frequência que, antes do sexto ou sétimo mês, as demandas da criança serão maiores do que a mãe pode atender. A deficiência deve ser compensada por alimentos artificiais, que devem ser do tipo geralmente empregado antes do sexto mês e administrados através da garrafa.

PAPEL DAS MÃES NO COMBATE A DOENÇAS DE CRIANÇAS.

A província especial da mãe é a prevenção de doenças, não a sua cura. Quando a doença ataca a criança, a mãe tem uma parte a desempenhar, o que é especialmente importante durante as épocas da infância e da infância deve ser bem executada. Refiro-me aos deveres que constituem a parte materna da gestão da doença.

O tratamento médico, para sua edição bem-sucedida, depende muito de uma superintendência materna cuidadosa, dolorosa e criteriosa. Nenhum tratamento médico pode valer a qualquer momento, se as instruções forem realizadas apenas parcialmente ou forem negligenciadas; e certamente falhará completamente, se contrariado pelos preconceitos errôneos de atendentes ignorantes. Mas para os afetos da infância e infância, essa observação se aplica com grande força; uma vez que, nesse período, a doença geralmente é tão repentina em seus ataques, e rápida em seu progresso, que, a menos que as medidas prescritas sejam rígidas e prontamente administradas, sua exibição logo será totalmente infrutífera.

A quantidade de sofrimento também pode ser bastante reduzida pelas atenções atenciosas e exigentes da mãe. Os desejos e necessidades da criança pequena devem ser antecipados; a inquietação produzida pela doença, acalmada pela persuasão gentil e afetuosa; e a possibilidade de a criança doente e sensível ser exposta a condutas severas e desagradáveis, cuidadosamente fornecidas contra.

Novamente, não apenas é necessário o cumprimento firme e estrito das orientações médicas na administração de remédios, regimes e medidas gerais, mas também um relatório imparcial, fiel e completo dos sintomas ao médico, quando ele visita seu pequeno paciente, é de primeira importância. Um servo ou enfermeiro ignorante, a menos que muita cautela seja exercida pelo médico, pode, por um relato não intencional, mas errôneo de sintomas, produzir uma impressão muito errada em sua mente, quanto ao estado real da doença. Seu julgamento pode, como conseqüência, ser tendencioso na direção errada, e o resultado se mostra seriamente prejudicial ao bem-estar do paciente. O médico não pode sentar hora após hora, observando os sintomas; daí a grande importância de serem relatados fielmente. Só isso pode ser feito pela mãe ou por outra pessoa igualmente competente.

Há outras considerações importantes que podem ser apresentadas aqui, provando o quanto depende de um manejo materno eficiente na época da doença; mas eles serão discutidos de várias formas, quando se mencionarem as doenças com as quais estão mais particularmente conectadas.

BEBÊ CHORANDO - RAZÕES.

Introdução:

O choro é um evento normal na vida de todos os bebês. Quando um bebê sai do mundo, a primeira coisa a fazer é chorar. No primeiro choro, ele leva um pouco de ar para os pulmões pela primeira vez em sua vida. parto, se o bebê não chorar, deve ser iniciado beliscando ou batendo levemente os pés. Deste modo, fica claro que o bebê saudável deve chorar e é um evento fisiológico normal, mas algumas vezes pode incomodar a mãe ou os familiares. .

Todos sabemos que um bebê não pode dizer suas necessidades ou problemas em palavras. A única maneira de ele se comunicar com os outros é chorando. Os bebês mostram alguns outros sinais como pés chutando, acenando com as mãos e virando a cabeça etc. Mas a melhor maneira de chamar a atenção dos outros é chorando.

O choro excessivo pode não ter uma definição firme, porque o hábito de chorar muda de bebê para bebê e alguns bebês podem ser acalmados com facilidade, mas alguns são difíceis de acalmar. Se o choro é angustiante para a mãe e a enfermeira doméstica, pode ser chamado de excessivo. o bebê fica quieto dando leite materno ou carregando com um balanço suave. O início repentino de choro excessivo significa que o bebê está angustiado e precisa de atenção. As causas do choro se estendem de razões simples a condições de risco de vida. Portanto, o choro de um bebê não deve ser ignorado. .

Na maioria das vezes, é difícil encontrar a causa do grito. Causas comuns são discutidas aqui para conscientização.

Razões comuns para chorar:

1, Fome: -

Um bebê faminto vai chorar até conseguir o leite. Aqui o velho ditado se torna realidade: “bebê chorão pega o leite”.

2, umedecimento: -

Urinar e defecar causa algum desconforto e resulta em choro até que suas partes sejam limpas e secas.

3, empresa: -

A maioria das crianças precisa de alguém por perto. Se eles se sentem sozinhos, choram. Quando sua boneca favorita se afasta do aperto, eles pedem ajuda.

4, cansado: -

Quando o bebê está cansado depois de uma viagem e incapaz de dormir, simplesmente chora. Eles se sentem cansados ​​em ambientes desconfortáveis ​​e devido ao clima insalubre.

5, calor e frio: -

Se sentem muito calor ou muito frio, ficam inquietos e choram. Criança é confortável em uma sala com boa ventilação.

6, revestimento apertado: -

As mangas apertadas, especialmente durante o clima quente, são intoleráveis ​​para as crianças. O elástico apertado do vestido também pode causar dor na região do quadril.

7, quarto escuro: -

Quando o bebê acorda do sono, ele precisa de alguma luz fraca. Se houver escuridão, ele perturbará o sono dos pais chorando. É claro que ele ficará irritado com uma luz forte que resulta em choro.

8, Mosquito: -

Sim, essas criaturas perturbam o sono sugando o sangue e fazem o bebê chorar.

9, bloqueio nasal: -

A criança pode não conseguir dormir quando está resfriada e continuar chorando até que a passagem esteja aberta.

10, fleuma na garganta: -

Isso também causa dificuldade na respiração, resultando em choro. Muitas vezes, um som típico pode ser ouvido a cada respiração.

11, dor geral: -

Dores corporais generalizadas com inquietação são observadas na gripe e estágios prodrômicos de algumas doenças infecciosas podem resultar em choro contínuo.

12, Choro habitual: — Alguns bebês choram sem nenhuma causa real, acabando com os pais em agonia. Muitas vezes, o médico é chamado a pedir ajuda.

13, Assaduras: - Se uma fralda apertada e úmida for mantida por um longo período, isso resultará nessa condição. A erupção cutânea também pode ser causada por alguma reação alérgica ao material elástico da fralda. Quando a erupção aparece, causa dor e o bebê fica sem sono e chora. Todas as outras lesões cutâneas como eczema, ectima, candidíase ect também causam os mesmos problemas.

14, dor de ouvido: -

A infecção no ouvido é comum em clima úmido.A infecção pode se espalhar pela garganta.A infecção no ouvido pode resultar na ruptura do tímpano, causando a descarga do pus.A dor de ouvido geralmente se agrava à noite quando deitado. A criança fica inquieta com o choro e pode não permitir toque na orelha.Algumas crianças com dor de ouvido esfregam a orelha afetada com frequência.

15, Cólica: -

Quando o bebê chora continuamente, a maioria de nós o diagnostica como cólica. Esse roubo ainda é um tópico para debate, porque a causa exata da cólica não é conhecida e o diagnóstico também é difícil de confirmar. O cólico pode estar associado a estrondos e distensão do abdômen. sente-se melhor quando deitado no abdômen.Algumas crianças podem não permitir que você toque o abdome.Se a criança chora continuamente, os médicos precisam de ajuda.

16, infecções: -

Todas as infecções causam algum tipo de dor ou irritação, resultando em choro. A infecção pode estar em qualquer parte do corpo. Geralmente está associada a febre, vermelhidão e inchaço.

17, Reações a certos alimentos: -

Dizem que a comida de um homem é o veneno de outro homem. Alguns artigos alimentares podem produzir algumas reações alérgicas. A alergia se manifesta na forma de vermelhidão, falta de ar, sintomas gástricos e choro contínuo.

18, fezes duras: -

Bebês constipados com fezes duras podem chorar quando sentem vontade de comer fezes. Algumas crianças hesitam em passar as fezes por causa da dor.

19, reflexo gastroesofágico: -

Aqui, o bebê chora com o derramamento de alimentos após a alimentação. Se isso continuar, pode ser devido ao reflexo gastroesofágico. Isso ocorre devido à falha na parte inferior do esôfago em fechar após os alimentos, causando regurgitação do estômago. É difícil diagnosticar esta condição e pode ser confirmado com medicamentos anti-reflexos.

20, dentição: -

Durante a dentição a criança fica inquieta com o choro.Muitas vezes associada a problemas gástricos e diarréia.

Algumas razões raras

1, obstrução intestinal: -

A obstrução intestinal está associada a dor intensa e vômitos. O abdômen é distendido com um som estridente. O bebê é constipado com ausência de flatos.

2, Septicemia: -

A invasão de microrganismos patogênicos para o sangue é chamada septicemia. A febre está associada a essa condição.

3, torção dos testículos em crianças do sexo masculino: -

Quando um bebê do sexo masculino chora continuamente, seu escroto deve ser examinado. A torção dos testículos produz dor intensa que será pior ao tocar os testículos afetados. Quando os testículos são pressionados para cima, a dor é aliviada. Se isso não for tratado adequadamente, pode danificar os afetados. testículos devido à falta de suprimento de sangue.

4, meningite: -

Inicialmente, pode não haver febre, portanto, o bebê chorão com olhar vago alternativo e irritabilidade não devem ser ignorados. O Fontanel está abaulado. Rigidez e convulsões no pescoço podem aparecer mais tarde. 5, retenção de urina: -

As crianças com retenção de urina terão dores agonizantes, deixando-as inquietas.

7, lesões graves: -

Lesões graves em qualquer parte do corpo causam dor. Ocasionalmente, as crianças caem durante o transporte e resultam em ferimentos na cabeça. Os ferimentos na cabeça estão associados a vômitos e convulsões reflexos.

Distúrbios estomacais e intestinais entre bebês.

A desordem do estômago e do intestino é uma das fontes mais frutíferas das doenças da infância. Evite apenas seu desarranjo e, sendo todas as coisas iguais, o bebê será saudável e florescerá e não precisará da ajuda de físicos ou médicos.

Existem muitas causas que podem dar origem a esses afetos; muitos deles pertencem ao sistema da mãe, alguns ao sistema da criança. Todos são capazes, em grande parte, de serem prevenidos ou remediados. É, portanto, mais importante que uma mãe não seja ignorante ou desinformada sobre esse assunto. É a prevenção dessas afeições, no entanto, que será principalmente abordada aqui; pois que a mãe sempre tenha em mente e atue no princípio de que somente a prevenção de doenças lhe pertence; a cura para o médico. Por uma questão de clareza e referência, esses distúrbios serão mencionados à medida que ocorrerem:

Para a criança no peito.

O estômago e os intestinos da criança podem ficar perturbados pelo leite materno, tornando-se prejudicial. Isso pode resultar do fato de os pais saírem da saúde, uma circunstância que será tão manifesta para si mesma e para os mais imediatamente interessados ​​em seu bem-estar, que é necessário apenas fazer alusão a ele aqui. Basta dizer que existem muitas causas de um tipo geral às quais deve sua origem; mas que o mais frequente é a lactação indevida, e os efeitos tanto na mãe quanto na criança foram totalmente afetados.

A ansiedade mental da mãe fará com que o leite não seja saudável em seu caráter e deficiente em quantidade, dando origem a flatulência, aderência e às vezes até convulsões no bebê. Um ataque de paixão na enfermeira será freqüentemente seguido por um ataque de queixa intestinal na criança. Naturalmente, essas causas são temporárias e, quando retiradas, o leite se torna saudável e suficiente para a criança como antes.

No entanto, distúrbios mentais repentinos e grandes, ocasionalmente, afastam completamente o leite e em poucas horas. A Sra. S., aet. 29, uma bela mulher saudável, de pele loira, estava confinada a um menino. Ela se divertiu e um suprimento abundante de leite para a criança, que continuou a mamar até janeiro seguinte, um período de três meses, quando seu leite desapareceu repentinamente. Essa circunstância intrigou o atendente médico, pois ele não conseguia encontrar nenhuma doença física; mas o leite nunca voltou e uma ama de leite tornou-se necessária. Na primavera seguinte, o marido dessa dama falhou, uma adversidade iminente desde a data em que o leite materno desapareceu; nesse dia o estado perturbado dos negócios do marido foi divulgado à esposa, fato que imediatamente explicou the mysterious disappearance of the milk.

Unwholesome articles of diet will affect the mother's milk, and derange the infant's bowels. Once, I was called to see an infant at the breast with diarrhoea. The remedial measures had but little effect so long as the infant was allowed the breast-milk; but this being discontinued, and arrow-root made with water only allowed, the complaint was quickly put a stop to. Believing that the mother's milk was impaired from some accidental cause which might now be passed, the infant was again allowed the breast. In less than four-and-twenty hours, however, the diarrhoea returned. The mother being a very healthy woman, it was suspected that some unwholesome article in her diet might be the cause. The regimen was accordingly carefully inquired into, when it appeared that porter from a neighbouring publican's had been substituted for their own for some little time past. This proved to be bad, throwing down, when left to stand a few hours, a considerable sediment; it was discontinued; good sound ale taken instead; the infant again put to the breast, upon the milk of which it flourished, and never had another attack.

In the same way aperient medicine, taken by the mother, will act on the child's bowels, through the effect which it produces upon her milk. This, however, is not the case with all kinds of purgative medicine, nor does the same purgative produce a like effect upon all children. It is well, therefore, for a parent to notice what aperient acts thus through her system upon that of her child, and what does not, and when an aperient becomes necessary for herself, unless she desire that the infant's bowels be moved, to avoid the latter; if otherwise, she may take the former with good effect.

Again; the return of the monthly periods whilst the mother is a nurse always affects the properties of the milk, more or less, deranging the stomach and bowels of the infant. It will thus frequently happen, that a few days before the mother is going to be unwell, the infant will become fretful and uneasy; its stomach will throw up the milk, and its motions will be frequent, watery, and greenish. And then, when the period is fully over, the milk will cease to purge. It is principally in the early months, however, that the infant seems to be affected by this circumstance; for it will be generally found that although the milk is certainly impaired by it, being less abundant and nutritious, still, after the third or fourth month it ceases to affect the infant. Is then a mother, because her monthly periods return after her delivery, to give up nursing? Certainly not, unless the infant's health is seriously affected by it; for she will generally find that, as the periods come round, by keeping the infant pretty much from the breast, during its continuance, and feeding him upon artificial food, she will prevent disorder of the child's health, and be able in the intervals to nurse her infant with advantage. It must be added, however, that a wet- nurse is to be resorted to rather than any risk incurred of injuring the child's health; and that, in every case, partial feeding will be necessary at a much earlier period than when a mother is not thus affected.

The milk may also be rendered less nutritive, and diminished in quantity, by the mother again becoming pregnant. In this case, however, the parent's health will chiefly suffer, if she persevere in nursing; this, however, will again act prejudicially to the child. It will be wise, therefore, if pregnancy should occur, and the milk disagree with the infant, to resign the duties of a nurse, and to put the child upon a suitable artificial diet.

The infant that is constantly at the breast will always be suffering, more or less, from flatulence, griping, looseness of the bowels, and vomiting. This is caused by a sufficient interval not being allowed between the meals for digestion. The milk, therefore, passes on from the stomach into the bowels undigested, and the effects just alluded to follow. Time must not only be given for the proper digestion of the milk, but the stomach itself must be allowed a season of repose. This evil, then, must be avoided most carefully by the mother strictly adhering to those rules for nursing.

The bowels of the infant at the breast, as well as after it is weaned, are generally affected by teething. And it is fortunate that this is the case, for it prevents more serious affections. Indeed, the diarrhoea that occurs during dentition, except it be violent, must not be subdued; if, however, this is the case, attention must be paid to it. It will generally be found to be accompanied by a swollen gum; the freely lancing of which will sometimes alone put a stop to the looseness: further medical aid may, however, be necessary. At the period of weaning.

There is great susceptibility to derangements of the stomach and bowels of the child at the period when weaning ordinarily takes place, so that great care and judgment must be exercised in effecting this object. Usually, however, the bowels are deranged during this process from one of these causes; from weaning too early, from effecting it too suddenly and abruptly, or from over-feeding and the use of improper and unsuitable food. There is another cause which also may give rise to diarrhoea at this time, independently of weaning, viz. the irritation of difficult teething.

The substitution of artificial food for the breast-milk of the mother, at a period when the digestive organs of the infant are too delicate for this change, is a frequent source of the affections now under consideration.

The attempt to wean a delicate child, for instance, when only six months old, will inevitably be followed by disorder of the stomach and bowels. Unless, therefore, a mother is obliged to resort to this measure, from becoming pregnant, or any other unavoidable cause, if she consult the welfare of her child, she will not give up nursing at this early period.

Depriving the child at once of the breast, and substituting artificial food, however proper under due regulations such food may be, will invariably cause bowel complaints. Certain rules and regulations must be adopted to effect weaning safely, the details of which are given elsewhere.

If too large a quantity of food is given at each meal, or the meals are too frequently repeated, in both instances the stomach will become oppressed, wearied, and deranged; part of the food, perhaps, thrown up by vomiting, whilst the remainder, not having undergone the digestive process, will pass on into the bowels, irritate its delicate lining membrane, and produce flatulence, with griping, purging, and perhaps convulsions.

Then, again, improper and unsuitable food will be followed by precisely the same effects; and unless a judicious alteration be quickly made, remedies will not only have no influence over the disease, but the cause being continued, the disease will become most seriously aggravated.

It is, therefore, of the first importance to the well-doing of the child, that at this period, when the mother is about to substitute an artificial food for that of her own breast, she should first ascertain what kind of food suits the child best, and then the precise quantity which nature demands. Many cases might be cited, where children have never had a prescription written for them, simply because, these points having been attended to, their diet has been managed with judgment and care; whilst, on the other hand, others might be referred to, whose life has been hazarded, and all but lost, simply from injudicious dietetic management. Over-feeding, and improper articles of food, are more frequently productive, in their result, of anxious hours and distressing scenes to the parent, and of danger and loss of life to the child, than almost any other causes.

The irritation caused by difficult teething may give rise to diarrhoea at the period when the infant is weaned, independently of the weaning itself. Such disorder of the bowels, if it manifestly occur from this cause, is a favourable circumstance, and should not be interfered with, unless indeed the attack be severe and aggravated, when medical aid becomes necessary. Slight diarrhoea then, during weaning, when it is fairly traceable to the cutting of a tooth (the heated and inflamed state of the gum will at once point to this as the source of the derangement), is of no consequence, but it must not be mistaken for disorder arising from other causes. Lancing the gum will at once, then, remove the cause, and generally cure the bowel complaint.

EARLY DETECTION OF DISEASE IN THE CHILD.

It is highly important that a mother should possess such information as will enable her to detect disease at its first appearance, and thus insure for her child timely medical assistance. This knowledge it will not be difficult for her to obtain. She has only to bear in mind what are the indications which constitute health, and she will at once see that all deviations from it must denote the presence of disorder, if not of actual disease. With these changes she must to a certain extent make herself acquainted.

Signs of health.

The signs of health are to be found, first, in the healthy performance of the various functions of the body; the regular demands made for its supply, neither in excess or deficiency; and a similar regularity in its excretions both in quantity and appearance.

If the figure of the healthy infant is observed, something may be learnt from this. There will be perceived such an universal roundness in all parts of the child's body, that there is no such thing as an angle to be found in the whole figure; whether the limbs are bent or straight, every line forms a portion of a circle. The limbs will feel firm and solid, and unless they are bent, the joints cannot be discovered.

The tongue, even in health, is always white, but it will be free from sores, the skin cool, the eye bright, the complexion clear, the head cool, and the abdomen not projecting too far, the breathing regular, and without effort.

When awake, the infant will be cheerful and sprightly, and, loving to be played with, will often break out into its merry, happy, laugh; whilst, on the other hand, when asleep, it will appear calm, every feature composed, its countenance displaying an expression of happiness, and frequently, perhaps, lit up with a smile.

Just in proportion as the above appearances are present and entire, health may be said to exist; and just in proportion to their partial or total absence disease will have usurped its place.

We will, however, for the sake of clearness examine the signs of disease as they are manifested separately by the countenance, the gestures, in sleep, in the stools, and by the breathing and cough.

Of the countenance.

In health the countenance of a thild is expressive of serenity in mind and body; but if the child be unwell, this expression will be changed, and in a manner which, to a certain extent, will indicate what part of the system is at fault.

The brows will be contracted, if there is pain, and its seat is in the head. This is frequently the very first outward sign of any thing being wrong, and will occur at the very onset of disease; if therefore remarked at an early period, and proper remedies used, its notice may prevent one of the most fearful of infantile complaints Water in the Head.

If this sign is passed by unheeded, and the above disease be threatened, soon the eyes will become fixed and staring, the head hot, and moved uneasily from side to side upon the pillow, or lie heavily upon the nurse's arm, the child will start in its sleep, grinding its teeth, and awake alarmed and screaming, its face will be flushed, particularly the cheeks (as if rouged), its hands hot, but feet cold, its bowels obstinately costive, or its motions scanty, dark-coloured, and foul.

If the lips are drawn apart, so as to show the teeth or gums, the seat of the pain is in the belly. This sign, however, will only be present during the actual existence of suffering; if, therefore, there be any doubt whether it exist, press upon the stomach, and watch the eifect on the expression of the countenance.

If the pain arise simply from irritation of the bowels excited from indigestion, it will be temporary, and the sign will go and come just as the spasm may occur, and slight remedial measures will give relief.

If, however, the disease be more serious, and inflammation ensue, this sign will be more constantly present, and soon the countenance will become pale, or sallow and sunken, the child will dread motion, and lie upon its back with the knees bent up to the belly, the tongue will be loaded, and in breathing, while the chest will be seen to heave with more than usual effort, the muscles of the belly will remain perfectly quiescent.

If the nostrils are drawn upwards and in quick motion, pain exists in the chest. This sign, however, will generally be the accompaniment of inflammation of the chest, in which case the countenance will be discoloured, the eyes more or less staring, and the breathing will be difficult and hurried; and if the child's mode of respiring be watched, the chest will be observed to be unmoved, while the belly quickly heaves with every inspiration.

Convulsions are generally preceded by some changes in the countenance. The upper lip will be drawn up, and is occasionally bluish or livid. Then there may be slight squinting, or a singular rotation of the eye upon its own axis; alternate flushing or paleness of the face; and sudden animation followed by languor.

These signs will sometimes manifest themselves many hours, nay days, before the attack occurs; may be looked upon as premonitory; and if timely noticed, and suitable medical aid resorted to, the occurrence of a fit may be altogether prevented.

The state of the eyes should always be attended to. In health they are clear and bright, but in disease they become dull, and give a heavy appearance to the countenance; though after long continued irritation they will assume a degree of quickness which is very remarkable, and a sort of pearly brightness which is better known from observation than it can be from description.

The direction of the eyes, too, should be regarded, for from this we may learn something. When the infant is first brought to the light, both eyes are scarcely ever directed to the same object: this occurs without any tendency to disease, and merely proves, that regarding one object with both eyes is only an acquired habit. But when the child has come to that age when the eyes are by habit directed to the same object, and afterwards it loses that power, this circumstance alone may be looked upon as a frequent prelude to disease affecting the head.

Of the gestures.

The gestures of a healthy child are all easy and natural; but in sickness those deviations occur, which alone will often denote the nature of the disease.

Suppose an infant to have acquired the power to support itself, to hold its head erect; let sickness come, its head will droop immediately, and this power will be lost, only to be regained with the return of health; and during the interval every posture and movement will be that of languor.

The little one that has just taught itself to run alone from chair to chair, having two or three teeth pressing upon and irritating the gums, will for a time be completely taken off its feet, and perhaps lie languidly in its cot, or on its nurse's arm.

The legs being drawn up to the belly, and accompanied by crying, are proofs of disorder and pain in the bowels. Press upon this part, and your pressure will increase the pain. Look to the secretions from the bowels themselves, and by their unhealthy character your suspicions, in reference to the seat of the disorder, are at once confirmed.

The hands of a child in health are rarely carried above its mouth; but let there be any thing wrong about the head and pain present, and the little one's hands will be constantly raised to the head and face.

Sudden starting when awake, as also during sleep, though it occur from trifling causes, should never be disregarded. It is frequently connected with approaching disorder of the brain. It may forebode a convulsive fit, and such suspicion is confirmed, if you find the thumb of the child drawn in and firmly pressed upon the palm, with the fingers so compressed upon it, that the hand cannot be forced open without difficulty. The same condition will exist in the toes, but not to so great a degree; there may also be a puffy state of the back of the hands and feet, and both foot and wrist bent downwards.

There are other and milder signs threatening convulsions and connected with gesture, which should be regarded: the head being drawn rigidly backwards, an arm fixed firmly to the side, or near to it, as also one of the legs drawn stifly upwards. These signs, as also those enumerated above, are confirmed beyond all doubt, if there be present certain alterations in the usual habits of the child: if the sleep is disturbed, if there be frequent fits of crying, great peevishness of temper, the countenance alternately flushed and pale, sudden animation followed by as sudden a fit of languor, catchings of the breath followed by a long and deep inspiration, all so many premonitory symptoms of an approaching attack.

Of the sleep.

The sleep of the infant in health is quiet, composed, and refreshing. In very early infancy, when not at the breast, it is for the most part asleep in its cot; and although as the months advance it sleeps less, yet when the hour for repose arrives, the child is no sooner laid down to rest, than it drops off into a quiet, peaceful slumber.

Not so, if ill. Frequently it will be unwilling to be put into its cot at all, and the nurse will be obliged to take the infant in her arms; it will then sleep but for a short time, and in a restless and disturbed manner.

If it suffer pain, however slight, the countenance will indicate it; and, as when awake, so now, if there is any thing wrong about the head, the contraction of the eye-brow and grinding of the teeth will appear; if any thing wrong about the belly, the lips will be drawn apart, showing the teeth or gums, and in both instances there will be great restlessness and frequent startings.

Of the stools.

In the new-born infant the motions are dark coloured, very much like pitch both in consistence and appearance. The first milk, however, secreted in the mother's breast, acts as an aperient upon the infant's bowels, and thus in about four-and-twenty hours it is cleansed away.

From this time, and through the whole of infancy, the stools will be of a lightish yellow colour, the consistence of thin mustard, having little smell, smooth in appearance, and therefore free from lumps or white curded matter, and passed without pain or any considerable quantity of wind. And as long as the child is in health, it will have daily two or three, or even four, of these evacuations. But as it grows older, they will not be quite so frequent; they will become darker in colour, and more solid, though not so much so as in the adult.

Any deviation, then, from the above characters, is of course a sign of something wrong; and as a deranged condition of the bowels is frequently the first indication we have of coming disease, the nurse should daily be directed to watch the evacuations. Their appearance, colour, and the manner in which discharged, are the points principally to be looked to. If the stools have a very curdy appearance, or are too liquid, or green, or dark-coloured, or smell badly, they are unnatural. And in reference to the manner in which they are discharged, it should be borne in mind, that, in a healthy child, the motion is passed with but little wind, and as if squeezed out, but in disease, it will be thrown out with considerable force, which is a sign of great irritation. The number, too, of stools passed within the four-and- twenty hours it is important to note, so that if the child does not have its accustomed relief, (and it must not be forgotten that children, although in perfect health, differ as to the precise number,)

Of the breathing and cough

The breathing of a child in health is formed of equal inspirations and expirations, and it breathes quietly, regularly, inaudibly, and without effort. But let inflammation of the air-tubes or lungs take place, and the inspiration will become in a few hours so quickened and hurried, and perhaps audible, that the attention has only to be directed to the circumstance to be at once perceived.

Now all changes which occur in the breathing from its healthy standard, however slight the shades of difference may be, it is most important should be noticed early. For many of the complaints in the chest, although very formidable in their character, if only seen early by the medical man, may be arrested in their progress; but otherwise, may be beyond the control of art. A parent, therefore, should make herself familiar with the breathing of her child in health, and she will readily mark any change which may arise.

Whenever a child has the symptoms of a common cold, attended by hoarseness and a rough cough, always look upon it with suspicion, and never neglect seeking a medical opinion. Hoarseness does not usually attend a common cold in the child, and these symptoms may be premonitory of an attack of croup; a disease excessively rapid in its progress, and which, from the importance of the parts affected, carrying on, as they do, a function indispensably necessary to life, requires the most prompt and decided treatment.

The following observations of Dr. Cheyne are so strikingly illustrative, and so pertinent to my present purpose, that I cannot refrain inserting them: In the approach of an attack of croup, which almost always takes place in the evening, probably of a day during which the child has been exposed to the weather, and often after catarrhal symptoms have existed for several days, he may be observed to be excited, in variable spirits, more ready than usual to laugh than to cry, a little flushed, occasionally coughing, the sound of the cough being rough, like that which attends the catarrhal stage of the measles. More generally, however, the patient has been for some time in bed and asleep, before the nature of the disease with which he is threatened is apparent; then, perhaps, without waking, he gives a very unusual cough, well known to any one who has witnessed an attack of the croup; it rings as if the child had coughed through a brazen trumpet; it is truly a tussis clangosa; it penetrates the walls and floor of the apartment, and startles the experienced mother, ‘Oh! I am afraid our child is taking the croup!’ She runs to the nursery, finds her child sleeping softly, and hopes she may be mistaken. But remaining to tend him, before long the ringing cough, a single cough, is repeated again and again; the patient is roused, and then a new symptom is remarked; the sound of his voice is changed; puling, and as if the throat were swelled, it corresponds with the cough, etc.

How important that a mother should be acquainted with the above signs of one of the most terrific complaints to which childhood is subject; for, if she only send for medical assistance during its first stage, the treatment will be almost invariably successful; whereas, if this golden opportunity is lost, this disease will seldom yield to the influence of measures, however wisely chosen or perseveringly employed.

EXPOSURE OF INFANTS TO OPEN AIR

The respiration of a pure air is at all times, and under all circumstances, indispensable to the health of the infant. The nursery therefore should be large, well ventilated, in an elevated part of the house, and so situated as to admit a free supply both of air and light. For the same reasons, the room in which the infant sleeps should be large, and the air frequently renewed; for nothing is so prejudicial to its health as sleeping in an impure and heated atmosphere. The practice, therefore, of drawing thick curtains closely round the bed is highly pernicious; they only answer a useful purpose when they defend the infant from any draught of cold air.

The proper time for taking the infant into the open air must, of course, be determined by the season of the year, and the state of the weather. A delicate infant born late in the autumn will not generally derive advantage from being carried into the open air, in this climate, till the succeeding spring; and if the rooms in which he is kept are large, often changed, and well ventilated, he will not suffer from the confinement, while he will, most probably, escape catarrhal affections, which are so often the consequence of the injudicious exposure of infants to a cold and humid atmosphere. If, however, the child is strong and healthy, no opportunity should be lost of taking it into the open air at stated periods, experience daily proving that it has the most invigorating and vivifying influence upon the system. Regard, however, must always be had to the state of the weather; and to a damp condition of the atmosphere the infant should never be exposed, as it is one of the most powerful exciting causes of consumptive disease. The nurse-maid, too, should not be allowed to loiter and linger about, thus exposing the infant unnecessarily, and for an undue length of time; this is generally the source of all the evils which accrue from taking the babe into the open air.

WHAT TO DO WHEN YOUR KIDS CRY ?

Crying is a physiological process in the life of a baby.All normal babies cry to communicate with others.Sine they can't express their feelings in words crying is the only way for communication. If any uncomfortable feeling comes they simply cry.Normally babies cry in situations like hunger,wetting,too heat or cold,tight cloaths,pain ect. Some kids need the presence of somebody otherwise will cry simply.Crying without any cause is habitual in some babies. Eventhough crying is considered as normal it may worry the family members.Since the reasons for crying ranges from simple causes to serious causes it should not be ignored and hence exact cause has to be identified and managed accordingly.

The following are some points which should be considered while dealing with a crying baby.

1, It is dangerous to shake the baby vigorously.

2,Tight cloaths can cause irritation hence it should be removed.

3,If the room is hot put the fan and open the windows.

4,If the nappy is wet remove it and after cleaning the parts make it dry with a soft towel.

5,Pat her back or stroke her head slowly and let her here your soothing sound.

6,Give breast milk and make her quiet.

7,If the climate is cold cover her in soft towel.

8,Rock her gently in your arms and walk slowly in the room.

9,Take a music making doll and let her listen.

10,Try a pacifier or help her for thumb sucking.

11,If no response change her position.

12,Walk outdors with her.

13,Put her on the cradle and rock gently.

14,If no response ask somebody to carry the baby. Even after all these steps the baby goes on crying see for the following signs. ( Probable cause is given after every sign)

1,Press her abdomen gently,she may twist or resist you:—Colic

2,Pull her ear gently she may become worse or push your hands away:—Earache.

3,Feel her temperature with the back of your hands:–Fever due to any infection.

4,Examine the skin from head to foot:–Eruptive disease,nappy rash,measles,vesicles,allergy ect.

5,See the nose for any discharge:–Coryza.

6,Move the head gently to feel any neck stiffness:–Meningitis,head injury ect.

7,Keep your ear near her chest to hear any rattling sound:–Increased mucus in wind pipes. (pneumonia,bronchiolitis,asthamatic bronchitis ect) 8,Examine the anal orifice:–Anal erosion,rectal polyp,crawling of worms.

9,Examine the genitalia:–Any discharge or erosion.

10,In male baby see the testicles which may be swollen or tender:–Orchitis,torsion of testes.

11,also notice the body movements and see for any convulsions,rigors,vomiting,cough,laboured breathing ect.

If you see the above signs or any other abnormal signs consult your doctor for proper treatement.

BATHING AND CLEANLINESS DURING INFANCY AND CHILDHOOD.

Durante a infância. a limpeza é essencial para a saúde da criança. Os principais pontos aos quais os pais devem prestar atenção especial para esse fim são os seguintes:

A princípio, o bebê deve ser lavado diariamente com água morna; e um banho todas as noites, com a finalidade de limpar completamente o corpo, é altamente necessário. Banhar um bebê delicado de alguns dias ou até semanas de idade em água fria, com o objetivo de endurecer a constituição (como é chamada), é a maneira mais eficaz de prejudicar sua saúde e causar futuras doenças. Aos poucos, porém, a água com a qual é esponja pela manhã deve ficar morna, o banho noturno sendo mantido quente o suficiente para agradecer aos sentimentos.

Passados ​​alguns meses, a temperatura da água pode diminuir gradualmente até que o frio seja empregado, com o qual pode ser esponjosa ou mesmo mergulhada nela, todas as manhãs durante o verão. Se mergulhado na água fria, no entanto, deve ser mantido em apenas um minuto; pois nesse período, especialmente, a impressão de frio continuava por um tempo considerável deprimindo as energias vitais e impedindo aquele brilho saudável na superfície, que geralmente segue a ação momentânea e breve do frio e da qual depende sua utilidade. Com algumas crianças, de fato, existe tanta delicadeza extrema e reação deficiente que tornam o banho frio perigoso; nenhum brilho quente sobre a superfície ocorre quando seu uso causa danos inevitáveis: seus efeitos, portanto, devem ser cuidadosamente observados.

A superfície da pele deve ser sempre cuidadosamente e cuidadosamente esfregada com flanela, de fato, mais do que seca, pois a pele deve ser aquecida e estimulada pela fricção assídua e suave usada. Pois esse processo de lavagem e secagem não deve ser feito de maneira lânguida, mas rápida e expedita; e será então considerado um dos meios mais eficazes de fortalecer o bebê. É especialmente necessário secar cuidadosamente as cavidades dos braços, virilhas e nates; e se a criança for muito gorda, será bom espanar essas partes com pó de cabelo ou amido: isso evita escoriações e feridas, que costumam ser muito problemáticas. O sabão é necessário apenas para as partes do corpo expostas à recepção de sujeira.

Durante a infância.

Quando esse período chega, ou logo após, o banho é frequentemente interrompido; as mãos e o rosto da criança são mantidos limpos e, com isso, a enfermeira fica satisfeita; a ablução diária de todo o corpo, no entanto, ainda é necessária, não apenas para a preservação da limpeza, mas porque promove em alto grau a saúde da criança.

Uma criança de constituição vigorosa e saúde robusta, ao se levantar da cama, refrescada e ativa pelo repouso noturno, deve ser colocada no banho de chuveiro ou, se isso o excitar e alarmar demais, deve ser esponjosa da cabeça aos pés. pé com água salgada. Se o tempo estiver muito frio, a água poderá ficar levemente morna, mas se a sua constituição o suportar, a água deve estar fria durante todo o ano. Em seguida, o corpo deve ser seco rapidamente e esfregado às pressas, mas bem, com uma toalha um pouco grossa, e as roupas devem ser usadas sem demora desnecessária. Isso deve ser feito todas as manhãs da vida da criança.

Se essa criança estiver à beira-mar, deve-se tirar vantagem dessa circunstância e substituir o banho de mar. A melhor hora é duas ou três horas após o café da manhã; mas ele não deve estar cansado de antemão, pois, nesse caso, o banho frio não pode ser usado sem perigo. Deve-se tomar cuidado para que ele não permaneça por muito tempo, pois o calor do animal será reduzido abaixo do nível adequado, o que seria muito prejudicial. Em meninos de constituição fraca, muitas vezes são produzidas grandes travessuras dessa maneira. Também é de grande importância no banho das crianças que elas não devam ficar aterrorizadas com a imersão, e devem ser tomadas todas as precauções para evitar isso. O menino saudável e robusto também deve aprender cedo a nadar, sempre que possível, pois é atendido com os efeitos mais benéficos; é um exercício muito revigorante, e o banho frio torna-se duplamente reparável.

Se uma criança é de constituição delicada e estrumosa, o banho frio durante o verão é um dos melhores tônicos que podem ser empregados; e se morar na costa, o banho no mar será de benefício singular. Os efeitos, no entanto, de banhar-se em uma constituição desse tipo devem ser observados particularmente, pois, a menos que seja sucedido por um brilho, um sentimento de força aumentada e um apetite agudo, não fará bem e deve ser imediatamente abandonado para o banho morno ou morno. A opinião de que os banhos quentes geralmente relaxam e enfraquecem é errônea; pois nesse caso, como em todos os casos, quando empregados de maneira adequada, dariam tom e vigor a todo o sistema; de fato, o banho morno é para essa criança o que o banho frio é para os mais robustos.

Em conclusão: se o banho, de qualquer forma, não puder ser obtido das circunstâncias, a esponja de água salgada fria deve ser usada diariamente e durante todo o ano, desde que a reação ou brilho adequados sigam seu uso; mas quando não for esse o caso, e isso geralmente ocorrerá, se a criança for delicada e o clima frio, o vinagre e a água morna, ou a água salgada morna, deverão ser substituídos.